Pai morre por Covid-19 no Paraná, e filha médica relata perda: ‘Me senti fracassada, devia ter brigado mais para ele se cuidar’

Claudia Antunes compartilhou nas redes sociais o dilema de lutar contra a doença como médica e filha de paciente. Pai morreu, em Francisco Beltrão, após não manter medidas de prevenção. Médica relatou sobre o dilema de precisar entubar o próprio...

Pai morre por Covid-19 no Paraná, e filha médica relata perda: ‘Me senti fracassada, devia ter brigado mais para ele se cuidar’

Claudia Antunes compartilhou nas redes sociais o dilema de lutar contra a doença como médica e filha de paciente. Pai morreu, em Francisco Beltrão, após não manter medidas de prevenção. Médica relatou sobre o dilema de precisar entubar o próprio pai por causa da Covid-19, em Francisco Beltrão Arquivo pessoal Após mais de 10 meses sem poder encostar no pai, por prevenção, a médica Claudia Moschen Antunes passou a precisar estar perto dele, mas por um motivo desafiador: a Covid-19. O idoso testou positivo para a doença, e ela o internou em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná. Vitor Soares Antunes, de 75 anos, morreu vítima da doença no dia 2 de janeiro, mas a história dele repercutiu por meio das redes sociais da filha. Claudia postou um relato sobre os dias que esteve tratando do pai no leito de UTI. Na postagem, a médica contou sobre o dilema de ser profissional da saúde e filha de paciente internado na luta contra o novo coronavírus (veja a íntegra da publicação dela, ao final da reportagem). Coronavírus no Paraná: Veja as principais notícias Acompanhe a média móvel de mortes e casos no estado A médica pneumologista e intensivista disse que, apesar do momento doloroso, quis compartilhar o caso para tentar fazer com que as pessoas pensem sobre a dor de perder alguém para o vírus e para que, assim, mantenham a preocupação sobre a prevenção da doença. “Enquanto médica, sei que fiz tudo que pude. A única coisa que me arrependo é que eu deveria ter sido mais rígida com ele. Devia ter dito que ele não iria sair de casa, mas acho que não fui tão enérgica quanto deveria. Me sinto fracassada, pois devia ter brigado mais para ele se cuidar. Fracassei com meu pai como filha, pois depois que pegou o vírus não tinha o que fazer", postou. De acordo com a médica, o pai era aposentado mas, mesmo durante a pandemia, trabalhava na oficina que tinha. Além disso, a filha conta que, neste período, o pai se encontrou com amigos que podem ter transmitido o vírus a ele. Vitor Soares Antunes foi entubado pela filha, que é médica, após ter Covid-19, em Francisco Beltrão Arquivo pessoal Foram mais de 10 meses sem tocar no próprio pai. Depois de tanto tempo sem sentir um abraço, a médica Claudia Moschen Antunes precisou ter contato com ele da pior forma. Com o teste positivo para a Covid-19, ela precisou internar e entubar o próprio pai em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná. Em entrevista ao G1, Claudia contou que, se pudesse, preferiria não ter tratado do pai, pois, como filha, tinha medo e sofria ao vê-lo no leito de UTI. Entretanto, ela relatou que não teve opção. Os colegas de trabalho estavam afastados quando Vitor ficou doente, e a filha era a única médica do hospital que podia tratá-lo. Na postagem, direcionada ao pai, Claudia disse ter tomado a decisão mais difícil da vida enquanto cuidava dele. "Foi difícil pegar o resultado do seu exame, foi difícil tratar você. Você dizia que estava ótimo. Foi no décimo dia que sua oxigenação caiu. Internou imediatamente, recebeu todo suporte rápido e mesmo assim, 56 horas depois, eu tomo a mais difícil decisão da vida: te entubar!" Initial plugin text A médica disse que tem sido difícil atender pacientes após a morte do pai, mas afirmou que continua firme para ajudar outras vidas porque sabe que ele gostaria disso. A filha contou ainda que mantém viva as lembranças boas que ele deixou. "Meu pai era pessoa mais tranquila que conheci. Acordava de manhã sempre com bom humor, nunca vi reclamar de nada. Ele sempre estava bem, até no hospital. Enquanto fazia o tratamento, eu disse que ele podia dizer se não estivesse bem. Aí, ele me respondeu: ‘Se a gente fala que está mal, a gente piora. Precisamos ter sempre pensamento positivo, dizendo que estamos melhor’. Ele era uma pessoa serena, me ensinou muito sobre honestidade e gentileza”, disse. Vitor Antunes tinha 75 anos e era saudável, segundo a filha médica Arquivo pessoal Como médica e familiar de alguém que perdeu a luta contra a doença, Claudia reforçou que o período de vacinação não é momento de relaxamento e destacou que as pessoas devem cuidar umas das outras, respeitando as medidas sanitárias. “A chegada da vacina é um motivo para comemorar, lógico, mas ela não vai fazer milagre. Tem um período de imunidade até atingir um certo grupo e isso não vai acontecer em três meses. Vai demorar até a grande população ser vacinada, até lá precisamos manter os cuidados." Vacinação contra Covid-19 no Paraná: veja perguntas e respostas Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, até terça-feira (19), Francisco Beltrão registrou 5.786 casos confirmados do novo coronavírus e 60 mortes pela Covid-19. A cidade conta com 120 casos em investigação e 268 casos ativos. "Pode ser difícil ficar em casa, tem gente que fica deprimido, mas para depressão temos remédio, para a morte não. Imagina só, você ficou bem até agora e, faltando tão pouco para ser vacinado, acaba morrendo com a doença. Então não custa se cuidar mais um pouco, estamos muito pertinho", reforçou a médica. Veja o relato publicado por Claudia no dia 10 de dezembro de 2020, quando o pai ainda estava internado na UTI: "Sim esse é meu pai. Vítima da Covid-19 com quadro grave, entubado na UTI. Foi difícil pegar o resultado do seu exame, foi difícil tratar você...você dizia que estava ótimo. Foi no décimo dia que sua oxigenação caiu... internou imediatamente, recebeu todo suporte rápido e mesmo assim 56 horas depois, eu tomo a mais difícil decisão da vida: te entubar! Quando você chegou ao hospital eu brinquei : você quis vir conhecer nossa unidade de tratamento da Covid por dentro (hehehe). Quem imaginaria... Foi difícil ver você piorando, foi difícil dizer que não podia voltar pra casa pois não estava bom, foi difícil ver você com tanta falta de ar e tosse que te sufocava. Tive medo sozinha. No meio da madrugada éramos eu e você! Perguntei apenas uma vez: Por quê ? Nunca saberei. Mas sei que tudo tem um motivo e um sentido. Deus sabe o porquê mesmo quando não estamos preparados para isso. Mas vocês me ensinaram a ter coragem. Foi difícil juntar seus pertences do quarto e levar para minha casa. Pensei: Como somos finitos. Alguns minutos e seu celular, sua carteira, seu óculos, seus livros, tudo já não era mais seu! Todos os dias quando chego a UTI sorrio e digo: bom dia pai, força! Uma lágrima vai nascer, mas não posso chorar, pois molha a máscara e tenho outros pacientes para ver. Então respiro fundo e continuo, pois muitos dependem do meu cuidado. Sento para prescrever os pacientes com você ao meu lado, será que me ouve? Talvez. Cada alarme que toca vindo de você faz meu coração parar. Cada telefone do hospital agora pode ser pra mim, a filha do seu Vitor Soares Antunes. A mortalidade de uma boa UTI é menor que 20%, então existe mais esperança do que sofrimento nesse ambiente. Lá dentro trabalham anjos anônimos que fazem o mundo valer a pena. Divido seus cuidados com uma equipe fantástica que cuida de cada paciente como se fosse seu. Médicos irmãos que me ajudam diariamente e me confortam! Cuidei por meses para não transmitir esse vírus a meus familiares. Me isolei para proteger a todos enquanto cuidava daqueles que adoeciam, mas você foi contaminado por outras pessoas. Pessoas que acham um exagero o distanciamento social, que usam a máscara na boca ou que reclamam que estão cansados de ficar em casa. Pessoas que não conhecem a compaixão e o respeito, que não sabem o que é viver em comunidade onde todos protegem a todos. Você não se cuidou pai e não foi cuidado. Hoje você sofre cheio de drenos, cateteres e acessos, e todos ao seu redor também. Eu sigo aqui, como filha, a noite rezando pra você melhorar, e como médica, durante o dia fazendo você melhorar. Pai tenho certeza que onde estiver diria pra todo mundo: se cuidem, não façam como eu, não vivam como se fossemos imortais, pois a qualquer momento alguém pode chegar pra levar seus pertences pra casa! O mundo não vai acabar se você não viajar, mas poderá acabar se você não se cuidar. O vírus não tem preferência por idade, ele escolhe algum e escolheu você, pai! VÍDEOS: Vacina contra a Covid-19 no Paraná Veja mais notícias da região no G1 Oeste e Sudoeste.